“A Turquia mentiu para nós”; Mercenários sírios na Líbia abandonados e desesperados…

Mercenarios jihadistas sírios antes da partida para a campanha na Líbia, motivado e orgulhosos, agora em fuga e lutando apenas para sobreviver e tentar retornar ao seus lares... Imagem via Reuters.

A Turquia começou a alguns anos um ambicioso projeto de expansionismo político/ideologico, social e militar no Oriente Médio, pois as nações árabes sempre estiveram em disputa entre si por essa almejada liderança, mesmo que seja pelo menos em âmbito regional. O resultado disso foi uma série de fiascos geopoliticos e militares, que tem demonstrado cada vez mais que a Turquia não possui um governo geopoliticamente responsável, e, não merecedor da confiança do ocidente e de seus vizinhos do mundo árabe.

Com a intenção de preparar o campo para uma intervenção direta de forças militares turcas na Libia, o governo turco recrutou milhares de militantes das facções da SNA (facções anti-Assad) na Síria para lutar como mercenarios e enviaram centenas para a Líbia todas as semanas. A intenção seria disfarçà-los de populares que exigiriam o apoio da Turquia enquanto lutavam contra as forças do Exército Nacional da Líbia (LNA), que luta contra o Governo de Acordo Nacional (GNA), reconhecido pela ONU mas não reconhecido e apoiado pela grande maioria da população lìbia.

O número exato de militantes sírios que a Turquia enviou é desconhecido, mas as estimativas variam de 10.000 a 17.000 podendo ser ainda maior devido ao recrutamento de outros jihadistas de nacionalidade africana. Os vôos que transportam sírios e outros jihadistas de diversas nacionalidades para a Líbia continuam, apesar da pandemia de Coronavírus.

Os militantes sírios na Líbia inicialmente receberiam salários prometidos entre US $ 2.000 e 3.000 por mês, um valor considerado muito alto para mercenàrios jihadistas, mas depoimentos em redes sociais e relatórios de militantes de várias facções declaram que o GNA não manteve os pagamentos conforme prometido.

Outros benefìcios prometidos como a nacionalidade turca para os jihadistas e suas famìlias, e, assitência social, entre outros, raramente foram cumpridos. Muitos filhos de jihadistas que foram para a Turquia com promessas de emprego acabaram sendo usados como massa de manobra na crise de fronteira com a Grécia, onde centenas de milhares de migrantes estão acampados aguardado uma abertura de fronteiras que não acontecerà ou tentando entrar ilegalmente na Europa por meios pròprios.

O Governo de Acordo Nacional (GNA) é o governo de transição apoiado pela ONU para o controle da Libia, mas que até agora não conseguiu legitimação do proprio povo libio, o que provocou a guerra civil que perdura desde a derrubada do Coronel Muama Kadafhi.

O resultado de toda essa situação é que em torno de 15 mil homens sirios, e, possivelmente outros 10 mil de outras nacionalidades recrutados na Africa pela Turquia estão agora com fraca liderança e controle, fortemente armados, e, praticando saques e violências contra a população civil libia para sobreviver, pois o apoio logìstico e financeiro do governo turco aparentemente não chega mais e com isso os mercenàrios estão praticamente abandonados.

Um membro da Divisão Hamza disse que recebeu US $ 2.000 a cada dois meses e não todos os meses. Alguns membros do Faylaq al-Majd que estão na Líbia há mais de três meses dizem que foram pagos uma vez e nunca mais. Essa situação ocorre desde meados de 2018, quando os primeiros grupos chegaram na Líbia.

Apenas para referência, o ISIS em seus melhores dias pagou no màximo US$300,00 mensais aos seus homens mais destacados, e a grande maioria combatia apenas pelo fanatismo islâmico ou pela alimentação melhorada oferecida aos jihadistas voluntàrios.

Abaixo, um dos muitos videos que circulam pelas redes sociais, mostrando grupos de jihadistas sirios lutando não mais pela causa turca, mas apenas pelas suas vidas depois de ficarem sem munições e apoio organizacional turco no campo de batalha:

O depoimento de um jihadista iludido…

Nas redes sociais os depoimentos e protestos dos jihadistas se multiplicam, são facilmente encontrados nos grupos e pàginas que antes exaltavam os feitos dos mercenàrios sirios, entre outros. E de acordo com o The Investigative Journal e o STF Analisys & Intelligence é muito fàcil encontrar depoimentos como o de Zein Ahmad, um jihadista “arrependido”, que consegiu retornar à Siria e concedeu uma entrevista para a BBC e outros canais de TV do mundo àrabe que podemos ler abaixo;

“Acabei de voltar da Líbia ontem”, disse Zein Ahmad *, militante do Exército Nacional da Síria (SNA anti-Assad) apoiado pela Turquia em Afrin. ” Mas eu estava tentando sair por mais de um mês.” Quando o Exército Nacional da Líbia (LNA) se aproximou de Trípoli em abril de 2019, o Governo de Acordo Nacional (GNA), apoiado pela ONU, em Trípoli, pediu à Turquia apoio militar.

Ahmad é membro do grupo jihadista “Ahrar al-Sharqiya”, uma facção da SNA notória por agressões aos civis e uma tendência a combater outras facções da SNA nas áreas que invadem. Ahmad estava baseado em Afrin com a facção desde a Operação “Ramo de Oliveira” da Turquia em 2018. A invasão turca de Afrin levou à morte de centenas de civis e ao deslocamento de centenas de milhares. Ahrar al-Sharqiya foi acusado de crimes de guerra generalizados na cidade, incluindo saques, assassinatos, seqüestros e estupros em série.

Quando perguntado se ele acreditava na missão da Turquia em Afrin, Ahmad riu. “Eu era um mercenário indo para Afrin e eu era um mercenário indo para a Líbia. Não há jihad. A jihad terminou quando (a oposição síria) perdeu Alepo para Assad em 2016. Desde Alepo, foi apenas dinheiro para nós. Não nos importamos mais com quem estamos lutando. ”

As atrocidades do grupo jihadista “Ahrar al-Sharqiya” se espalharam para além de Afrin quando, em outubro de 2019, a Turquia lançou a Operação ironicamente batizada de “Primavera da Paz” no norte e leste da Síria. Os militantes do “Ahrar al-Sharqiya” interceptaram o veículo da líder do Partido Sírio do Futuro, Hevrin Khalaf, em um posto de controle que haviam construído ao longo da estrada M4 da Síria.

Os militantes puxaram Khalaf de seu carro, espancaram-na, arrastaram-na pelos cabelos e atiraram nela cinco vezes. Eles publicaram o vídeo do ataque em suas contas de mídia social.

Ahmad não comentou o assassinato de Hevrin Khalaf ou qualquer outro crime de guerra que ele e outras facções apoiadas pela Turquia foram acusadas nos últimos tempos. ” Eu sei que os grupos cometeram atrocidades em Afrin quando entramos na cidade”, disse Ahmad. “ Mas nunca o fiz pessoalmente. Eu nunca saqueei propriedades quando estava em Afrin. Mas saqueei quando estava na Líbia. Todos nós fizemos pois eles (o Governo Turco) pararam de nos pagar.

“Eles nos disseram que receberíamos US $ 3000 por mês. Isso nunca aconteceu. No primeiro mês, recebemos US $ 2000. No segundo mês, eles nos deram US $ 1400. No terceiro mês, não fomos pagos ”, disse Ahmad. “ Então saqueamos para sobreviver. Pegamos todo o tipo de bens das casas, qualquer coisa que pudéssemos encontrar, qualquer coisa valiosa que pudéssemos vender no comércio das cidades. E os líbios que estão na tropa conosco pegariam os itens e os venderiam para nós. ”

Um militante da Divisão Hamza diz que um militante líbio da GNA, afiliado ao seu grupo, leva os sírios a lojas em Trípoli para que possam vender seus produtos roubados. “Muitos milicianos estavam saqueando em vez de lutar” , disse ele. “De fato, muitos de nossos combatentes foram mortos porque roubavam casas perto das linhas de frente, e as forças de Haftar os emboscavam e os matavam.”

Hilal Hesham *, um empresário de Trípoli, tem dois amigos que possuem lojas frequentadas pelos militantes sírios. ” Um dono de loja tentou chamar a polícia quando os sírios chegaram pela primeira vez”, disse ele. “ Era óbvio que os itens que eles tinham foram roubados. Mas é claro que a polícia não fez nada. É o domínio das milícias em Trípoli. Os donos das lojas não estão felizes com a presença deles, mas precisam fazer negócios com eles. ”

Hesham diz que não tem conhecimento dos militantes sírios que roubam e agridem civis. ” Talvez eles percebam que em Trípoli estamos todos armados”, disse ele. “ Mas, na minha opinião, esses homens [sírios] são extremistas, terroristas, são ISIS se infiltrando na Libia. Quero deixar claro que eu e muitos outros civis daqui esperamos o exército [nacional da Líbia] entrar em Trípoli. ”

Zein Ahmad diz que a maioria das outras promessas que as forças turcas feitas aos militantes do SNA não se concretizaram. ” Eles nos disseram primeiro que, se ficássemos e lutássemos por seis meses, teríamos cidadania turca”, disse ele. “ Isso foi mentira. Eles nos disseram que se morrêssemos lutando na Líbia, nossas famílias receberiam cidadania turca. Agora que tantos sírios morreram na Líbia, sabemos que isso também é uma mentira. ”

Ahmad diz que quando um colega de Ahrar al-Sharqiya foi morto em uma batalha em fevereiro, sua viúva em Afrin recebeu cerca de US $ 8000. ” É claro que ela não conseguiu a cidadania turca” , disse ele. ” Ela está morando em um campo de refugiados na Síria, sem marido agora e sem nenhuma outra assitência.”

Ahmad diz que os comandantes turcos que os informaram sobre a missão na Líbia deturparam e minimizaram grosseiramente os perigos que enfrentariam. Eles disseram que era mais seguro e fácil do que lutar na Síria ” , afirmou. “E no primeiro mês, foi fàcil e ótimo.”

Depois de chegar à Líbia, Ahmad ficou em uma casa em Trípoli com dez outros militantes sírios e um militante líbio que os acompanhava sempre que saíam de casa. A casa era uma vila bem equipada, quase certamente abandonada por seus legítimos proprietários quando os confrontos se intensificaram e se aproximaram.
Depois de algumas semanas, começaram batalhas pesadas. Nós nos mudamos para Salah al-Din. Foi pior do que na Síria ”, disse Ahmad. “Corpos caíram na rua e ninguém os pegou. Tantos sírios morreram. ” Ahmad não sabe exatamente quantos sírios morreram na Líbia, mas diz que viu pessoalmente mais de uma dúzia de mortos em batalha.

“Não era nada como estamos acostumados na Síria”, disse Ahmad. “É um combate de rua urbano. Não temos as armas certas nem as habilidades certas. Nós estamos sendo massacrados. E assim, muitos de nós começaram a se recusar a lutar. Ou seríamos levados para a linha de frente e nos esconderíamos lá.

Ahmad diz que quando os militantes sírios começaram a desafiar as ordens, soldados líbios alinhados com o GNA viriam vencê-los. Ele diz uma vez, quando um sírio se recusou a lutar três vezes seguidas, um militante líbio deu um tiro na perna dele.

O número de sírios desesperados para deixar a Líbia cresce a cada dia. “A última mentira que a Turquia nos disse foi que teríamos que ficar apenas dois meses ou três meses”, disse Ahmad. ” Mas mais de três meses se passaram para o meu grupo e eles não estavam nos deixando voltar.”

Por fim, Ahmad foi forçado a pagar ao comandante sírio US $ 700 para voar de volta para a Síria. ” Havia cerca de 100 de nós”, disse ele. ” Alguns pagaram US $ 500 e outros até US $ 1000, mas depois nos colocaram em um avião com mortos e feridos e nos permitiram retornar à Síria.”

Ahmad planeja renunciar a sua facção. Quando perguntado o que ele achava que o futuro lhe reservava, ele zombou. “ Você não deveria me perguntar isso. Não pergunte isso a nenhum de nós ”, ele disse. ” Eu nem sei o que o presente vai ser para mim.”

Um soldado turco em Trípoli relata uma experiência marcadamente diferente na Líbia. ” Olha, todo mundo está feliz”, disse ele. “ Todos os militares turcos aqui têm um bom moral. E estamos recebendo um bom dinheiro. ” Quando perguntado sobre a situação que os militantes sírios estão enfrentando na Líbia, o soldado turco disse que não sabia. ” Mas ouvi dizer que, se eles querem voltar para a Síria, podem”, disse ele.

  • Com informações Reuters,matéria de Lyndsey Snell para o The Investigative Journal e STF analisys & Inteligence via redação Orbis Defense Europe.
    Links de referência:

“Turkey lied to us.” Syrian Mercenaries in Libya are Desperate to Leave





Be the first to comment on "“A Turquia mentiu para nós”; Mercenários sírios na Líbia abandonados e desesperados…"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*