O primeiro-ministro da Hungria declara: “migração é uma invasão organizada”

Um dos muitos pontos de passagem da fronteira da Hungria com a Romênia, que foi fortemente reforçado para evitar invasões. Imagem via Euronews.

O primeiro-ministro da Hungria Viktor Orbán declarou durante evento oficial em compania do primeiro-ministro da Eslováquia, que as descrições da situação de crise na fronteira húngara na mídia internacional eram imprecisas e minimizadas e até mesmo negligenciadas, alegando que 95% dos migrantes que se declaram “refugiados” que chegavam à fronteira são “homens em idade militar”.

Viktor Orbán também atacou a moral “politicamente correta” da União Européia dizendo: “É proibido dizer na Europa, mas a migração é uma invasão organizada” (se referindo aos fluxos migratorios do Oriente Médio e Africa).

Ele relembrou a recente ocorrência gravissima, quando grupos de migrantes recentemente tentaram forçar passagens nas cercas e barragens, observando que em um ponto, tiros de alerta precisaram ser disparados pelos guardas de fronteira hùngaros, para auto defesa dos funcionarios da imigração e para conter os elementos mais violêntos.

Na foto em destaque (da esquerda para a direita): PM eslovaco Peter Pellegrini, PM húngaro Viktor Orbán, ministro eslovaco do Interior Denisa Saková e ministro húngaro do interior Sándor Pintér (atrás). Foto de Zsolt Szigetváry / MTI

A Hungria hoje tem seu territorio de fronteira quase todo fechado por cercas instaladas pelas forças armadas e empresas de segurança contratadas, pois desde o começo oficial da crise dos refugiados em 2014/2015, o seu territorio é o preferido para migrantes do Oriente Médio que tentam rumar para a Alemanha.

Até então a Hungria estava no “roll” de paìses de estatìsticas insiginificantes de criminalidade, e, com a presença dos migrantes viu a criminalidade crescer em todas as suas modalidades. Hoje é praticamente impossìvel não ligar o aumento da criminalidade ao afluxo migratòrio da Africa e Oriente Médio, e essa situação està criando problemas graves para todas as nações européias.

Em resposta a pergunta de um jornaista da AFP e de outros que alegaram um fechamento ilegal da fronteira, o Ministor Orbán disse que:

“A fronteira húngara não estava fechada, argumentando que, se alguém quisesse entrar no território húngaro, estava livre para “entrar” desde que seguindo o procedimento legalmente apropriado . Aqueles que optam por esse método, disse ele, devem esperar na área de trânsito pelo fim do processo legal. Enquanto isso, os migrantes são atendidos e, se seu pedido for aprovado, eles podem entrar na Hungria, mas, caso contrário, devem deixar a área de trânsito. Se todos fizessem isso, a situação seria tranquila”, disse Orbán. “Mas a maioria não o faz, e prefere o caminho ilegal”.

Falando aos repórteres depois de inspecionar a cerca da fronteira da Hungria com Peter Pellegrini, seu colega eslovaco, Orbán disse que a cerca também estava protegendo a fronteira da Eslováquia.

“Este é um trabalho árduo, que seria difícil fazer sem ajuda e com nossos aliados”, disse Orbán, expressando sua gratidão pelo apoio da Eslováquia.

Cooperação para a proteção das fronteiras entre Hungria, Eslovaquia e Sérvia

Orbán disse que o motivo pelo qual convidou Pellegrini para inspecionar a fronteira foi que houve recentemente um aumento acentuado no número de passagens ilegais. Mais de 5.000 migrantes tentaram entrar ilegalmente na Hungria até agora este ano, disse ele, acrescentando que muitos grupos de migrantes organizados também estavam chegando à fronteira.

Orbán disse que havia cerca de 100.000 migrantes atualmente a caminho da Europa pela rota dos Balcãs e, se a Hungria deixasse, eles entrariam no país e chegariam à Eslováquia.

Orbán expressou sua gratidão ao governo eslovaco pela assistência prestada à Hungria em seus esforços de proteção de fronteiras. Orbán disse que ele e Pellegrini reforçaram seu acordo segundo o qual a Eslováquia estará preparada para ajudar a Hungria novamente se a pressão migratória subir na fronteira.

Pellegrini destacou a importância de proteger a fronteira húngara-sérvia, observando que também era a fronteira sul da zona Schengen, livre de passaportes da União Europeia. Ele disse que a Eslováquia também estaria com problemas se a fronteira fosse violada pelos migrantes.

A Eslováquia está lidando com a proteção de sua fronteira oriental com a Ucrânia, mas precisa da ajuda da Hungria em relação à sua fronteira sul, disse ele.

Pellegrini disse que a Eslováquia estava preparada para continuar ajudando a Hungria em seus esforços de proteção de fronteiras, a fim de manter os migrantes afastados.

Ele disse que a cooperação entre a Hungria e a Sérvia é boa, acrescentando que os dois países podem gerenciar a situação dos migrantes por meio de uma cooperação justa.

Orbán disse que os serviços secretos húngaros estão monitorando a situação e têm uma visão clara de “a maneira como os movimentos de migrantes estão organizados e contam até mesmo com o apoio de ONG’s”.

Orbán enfatizou que os migrantes eram apoiados por organizações que alegam ter o status de ONGs operando da mesma maneira que grupos de traficantes de drogas e seres humanos. Essas organizações têm recursos financeiros significativos e capacidade logística considerável, acrescentou.

Em resposta a outra pergunta, ele disse que Bruxelas “não vai nos dar um centavo para financiar o fechamento, porque estamos na lista errada”. A Hungria foi a primeira a construir uma cerca na fronteira “, então somos os primeiros culpados”, acrescentou.

Ministro das Relações Exteriores húngaro Péter Szijjárt afirma que migração é ameaça para toda a humanidade

O ministro das Relações Exteriores húngaro Péter Szijjárt disse na terça-feira em uma conferência antiterrorista em Viena, que as Nações Unidas desperdiçam dinheiro em facilitar a migração que ameaça o mundo inteiro; dinheiro que seria melhor gasto no combate ao terrorismo.

Szijjártó disse aos participantes que promover a migração em massa no mundo representa “uma ameaça muito séria para toda a humanidade”, relata o Hungary Today .
O pacto de migração global da ONU encoraja as pessoas a deixar suas terras de origem, disse ele. E isso, acrescentou, põe em risco regiões e países de passagem de migração.

“Apelamos à ONU para incluir em seu orçamento o combate ao terrorismo … e gastar menos com a migração”, disse o ministro na conferência organizada pela ONU, pela Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) e pela Suíça.

No passado, Szijjártó descreveu como a Hungria rejeita o multiculturalismo e a migração em massa e, como solução para os desafios demográficos e do mercado de trabalho, favorece uma sociedade e políticas mais coesas socialmente, que apoiam a população local a criar suas próprias famílias e habilidades.

Fontes:

Orbán to Pellegrini: ‘It’s forbidden to say so in Europe, but migration is an organised invasion’

Hungarian minister: Mass migration is a “very serious threat to the whole of humanity”

https://www.tvlibertes.com/actus/viktor-orban-il-est-interdit-de-le-dire-en-europe-mais-limmigration-est-une-invasion-organisee

 



Be the first to comment on "O primeiro-ministro da Hungria declara: “migração é uma invasão organizada”"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*