Operação Verde Brasil 2 evidencia a importância do combate aos crimes ambientais

Fotos: Divulgação/Forças Armadas.

Militares das Forças Armadas atuam há mais de seis meses no combate aos crimes ambientais e na prevenção de queimadas na Amazônia Legal. A Operação Verde Brasil 2, coordenada pelo Ministério da Defesa, evidencia a importância de ações constantes para proteção do patrimônio ambiental.

A missão teve início em 11 de maio e prosseguirá até 30 de abril de 2021. Esse período poderá ser prorrogado, se necessário. Até o momento, as patrulhas navais, terrestres e aéreas asseguraram o combate de mais 7,5 mil focos de incêndio. Nas atividades desenvolvidas pelos militares, foram empregadas 79 viaturas, 26 embarcações e quatro aeronaves.

As ações de desmatamento e garimpo ilegal também estão no alvo dos esforços da Marinha, Exército e Aeronáutica na Garantia da Lei e da Ordem. Nesse contexto, 2.244 militares e 399 agentes atuam nos estados do Amazonas, Roraima, Rondônia, Amapá, Pará, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás.

Ações subsidiárias ocorrem na faixa de fronteira, nas terras indígenas e nas unidades federais de conservação ambiental. Foram estabelecidos postos de bloqueio e controle de estradas e de bases, planejamento e análise de alvos. Na quarta-feira (18), 133 embarcações foram inspecionadas. Dessas, sete foram apreendidas e 16 autuadas. Os militares também atuaram na vistoria de 73 veículos.

A missão é coordenada pelo Centro de Operações Conjuntas do Ministério da Defesa e conta com o apoio do Comando Conjunto Norte (CCjN), do Comando Conjunto Amazônia (CCjA), do Comando Conjunto Oeste (CCjO) e do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), da FAB. A articulação com as Forças Armadas conta com a cooperação agentes de Segurança Pública e de Proteção Ambiental.

  • Fonte: Ministério da Defesa. Por Viviane Oliveira com fotos das Forças Armadas.




Be the first to comment on "Operação Verde Brasil 2 evidencia a importância do combate aos crimes ambientais"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*