Um USMC mais leve e ágil, sem unidades pesadas e com sistemas mais diversificados; entenda o porquê

As unidades de testes e avaliações do USMC conduzem testes diversos com um novo Veículo de Combate Anfíbio, durante testes de trânsito com pouca luz na praia da AVTB em Camp Corps Base Camp Pendleton, Califórnia, 18 de dezembro de 2019. Esse tipo de veìculo serà o substituto aos pesados MBT e outros que hoje fazem parte da espinha dorsal de veìculos de combate do USMC. U.S. Marine Corps photo by Lance Cpl. Andrew Cortez.

Uma série de ensaios e jogos de guerra realizados entre 2018 e 2019 ajudou a formar a decisão do USMC de desativar seus MBTs, unidades inteiras e equipamentos obsoletos que não serão tão eficientes na luta contra adversários como a China, de acordo com um relatório de redesenho da força do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos .

Os jogos de guerra que inferiram os esforços de reprojeto de forças do Corpo foram realizados pelo Laboratório de Combate do Corpo de Fuzileiros Navais – USMC, Comando Indo-Pacífico dos EUA, entre outros.

Nesses jogos de guerra, o USMC confirma o antigo conhecimento que, a unidade que atira primeiro tem uma “vantagem decisiva” no campo de batalha, e, as forças que podem operar dentro do alcance dos disparos de precisão de longo alcance do inimigo “são mais relevantes em termos operacionais do que as forças que devem manobrar rapidamente para posições externas a “zona de combate das armas”, diz o relatório* (publicado como matéria nesse site, com link no final do texto).

Fuzileiros navais dos EUA com a Combined Arms Company na Bulgária e membros do Exército norueguês levaram seus tanques M1A1 Abrams de 126.000 libras ao redor de uma pista de gelo como parte de seu treinamento pré-exercício em Rena, Noruega, em 18 de fevereiro de 2016. (Corpo de Fuzileiros Navais)

A decisão do Corpo de alienar tanques, cortar artilharia pesada no solo e plataformas aéreas de ataque leve (helicòpteros) provocou críticas. Historicamente, os tanques têm tido sucesso nas guerras urbanas e de alto nível há décadas, com poder de fogo devastador, altamente letal para as forças terrestres. Porém inicialmente todos esses equipamentos serão mantidos em uma reserva técnica e não desativados de forma definitiva.

A principio a decisão vem da anàlise de teatros de combate onde tanques e veículos blindados tiveram problemas para sobreviver contra a ameaça de ataques de precisão e a infinidade de sistemas de drones e reconhecimento que inundam zonas de conflito no Oriente Médio.

Para evidências recentes, a analise de uma operação turca lançada contra as tropas do regime sírio no final de fevereiro dizimou mais de cem tanques e veículos blindados, dezenas de peças de artilharia e centenas de forças sírias, segundo o Ministério Nacional de Defesa da Turquia.

A Turquia postou vídeos destacando um papel misto de drones, sistemas de artilharia Paladin e aeronaves que golpeavam as forças sírias com meios aéreos ao longo de vários dias. O exército sírio parecia incapaz de se defender do ataque de sistemas de longo alcance. Até tanques camuflados por prédios e arbustos não eram páreo para sensores e imagens térmicas observando seus movimentos do céu.

O problema é exacerbado pelo número de sofisticados sistemas antitanques inundando conflitos de contra-insurgência em todo o mundo e pelo acrécimo operacional drones de longo alcance, uma vez que apenas o controle dos atores estatais estão sendo operados por grupos de milícias.

Na Líbia, o Exército Nacional da Líbia tem vantagem em sua guerra de drones com o governo de Trípoli, apoiado pela ONU. Ele é equipado com um suposto drone chinês fornecido pelos Emirados Árabes Unidos, conhecido como Wing Long II, que possui um alcance de 2.000 km por meio de um link de satélite e está armado com mísseis ar-superfície de ataque de precisão, fabricados pela China, Blue Arrow 7.

“A mobilidade dentro da WEZ [zona de combate a armas] é uma vantagem competitiva e um imperativo operacional”, diz o relatório do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA.

Em vez disso, o Corpo procura sistemas e unidades móveis que possam sobreviver ao alcance de tiros de precisão para “atrair forças adversárias”, criar dilemas para o inimigo e “consumir recursos ISR adversos”, segundo o relatório.

“A competição entre competidores e buscadores é real. Perder essa competição tem consequências enormes e potencialmente catastróficas ”, diz o relatório.

As capacidades de reconhecimento e contra-reconhecimento serão fundamentais no campo de batalha moderno.

“Temos evidências suficientes para concluir que essa capacidade [tanques], apesar de sua longa e honrosa história nas guerras do passado, é operacionalmente inadequada para nossos desafios de maior prioridade no futuro”, disse o relatório sobre a readequação de meios do USMC .

Os fuzileiros navais querem “um aumento de 300% na capacidade de artilharia de foguetes” com mísseis anti-navio. O Corpo está de olho em um lançador HIMARS de artilharia de foguete operado remotamente que usa o Veículo Tático Leve Conjunto emparelhado com o Míssil Naval Strike para afundar navios no mar.

O USMC solicitou US $ 64 milhões para o ano fiscal de 2021 para um programa de aquisição de mísseis antinavios com veículos existentes, conhecido como veículo antimísseis terrestre e mísseis antinavio terrestre e veículo de ataque terrestre operado remotamente (ROGUE).

O Corpo diz que planeja desenvolver-se fortemente em sistemas não tripulados de solo e ar, artilharia de foguetes e armas de longo alcance. Segundo o relatório, o Corpo está aumentando suas baterias de artilharia de foguetes em 14 para 21 ao longo de um período de 10 anos.

“Os batalhões de infantaria serão menores para apoiar a guerra expedicionária naval” e foram projetados para apoiar um conceito de combate conhecido como Operações de Base Avançadas Expedicionárias, que verá fuzileiros navais descentralizados e distribuídos pelo Pacífico em ilhas ou bases flutuantes embarcadas.

Enquanto o USMC vende equipamentos e unidades herdadas, os fuzileiros navais dizem que planejam investir em armas/misseis de precisão de longo alcance, reconhecimento e sistemas não tripulados.

O Corpo quer dobrar o número de esquadrões não tripulados e “sistemas aéreos e terrestres não tripulados austeros e letais, melhorando nossa capacidade de detectar e atacar”,
“No futuro, continuaremos a avaliar criteriosamente, jogar guerra, experimentar e refinar o design de nossas forças, melhorando as capacidades de serviço e a letalidade para dissuasão, competição e conflito”,
“O Corpo de Fuzileiros Navais não está otimizado para atender às demandas da Estratégia de Defesa Nacional”, disse o MCCDC no comunicado à imprensa. “Nossas iniciativas de design de força são projetadas para criar e manter uma vantagem competitiva contra adversários incansáveis ​​e em constante mudança.”disse o MCCDC no comunicado.

Saiba mais acessando:

https://www.orbisdefense.com/u-s-marine-corps-em-reestruturacao-contra-novas-ameacas-globais-china-e-russia/

  • Com informações do comsoc do USMC, Marine Times via redação Orbis Defense Europe.




Be the first to comment on "Um USMC mais leve e ágil, sem unidades pesadas e com sistemas mais diversificados; entenda o porquê"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*